Versão Mobile do Site Centro Islâmico Brasileiro
Centro Islâmico Brasileiro Mobile - Últimos Artigos
A psicologia do autocontrole no Islã (parte 2 de 2)

O profeta Muhammad, que a misericórdia e bênçãos de Deus estejam sobre ele, tinha muito a dizer sobre a raiva.  Seus pensamentos e recomendações ressoam perfeitamente com a discussão de resistir às tentações de curto prazo para alcançar os objetivos de longo prazo com os quais concluímos a parte 1.  Em muitos de seus ditos e tradições o profeta Muhammad nos conta para usarmos o autocontrole e respondermos à fonte de nossa raiva com uma abordagem cognitiva fria, ao invés de uma resposta emocional quente.  A resposta quente ou emocional geralmente é aquela a qual recorremos mais facilmente e a que geralmente leva a um resultado menos desejável.  Cada vez mais estudos modernos sugerem que se deve oferecer maneiras de esfriar suas respostas às pessoas que consistentemente têm uma resposta quente.  Examinemos alguns dos hadiths a partir da perspectiva do autocontrole.

· "A pessoa forte não é a que tem força física, mas a que controla sua raiva." [1] O profeta Muhammad está nos dizendo que uma pessoa precisa ser forte para ter autocontrole quando está zangada e que o autocontrole é obviamente uma qualidade desejável para um crente.


· "Se algum de vocês se zangar e estiver de pé, deve se sentar até que a raiva passe. Se não passar, então deve se deitar." [2] Quando uma pessoa é tomada pela raiva é difícil manter a cabeça fria e dar uma resposta equilibrada.  Entretanto, o ato de se sentar, adiando a resposta, permite que a pessoa esfrie e pense claramente.  Se sentar não for suficiente, então nos é dito para deitarmos.  Metaforicamente jogando água sobre a resposta quente.


· "Quando algum de vocês ficar zangado, faça a ablução porque a raiva vem do fogo." [3] Realizar a ablução literalmente, ao invés de metaforicamente, joga água em uma resposta quente e desequilibrada.


O autocontrole pode ser descrito como o que as pessoas usam para restringir seus impulsos e desejos.  É a capacidade de substituir uma resposta por outra.  O mundo da psicologia do século 21 vê isso como sendo uma característica muito desejável e que deve ser cultivada e exercitada por aqueles que querem ser bem-sucedidos.  Em mais de um estudo o autocontrole foi comparado a um músculo.[4] Engajar-se em atos de autocontrole retira energia de um recurso limitado e, uma vez que esteja esgotado, existe menos energia a ser usada para a autorregulamentação.  Isso é o mesmo que um músculo que requer força e energia para exercer força e, após algum tempo, se cansa.  Entretanto, parece que quanto mais se exercita o autocontrole, mais fácil se torna.
As pessoas começam renovadas, mas ao longo do dia sua força de vontade começa a diminuir.  Fazer muitas escolhas e autorregulamentação as deixa cansadas.   Os pesquisadores observaram que o autocontrole tende a reduzir mais tarde ao longo do dia, especialmente em dias com muita demanda ou estressantes.  A maioria das dietas é quebrada à noite, transgressões sexuais e recaídas em comportamentos ligados a vícios ocorrem no final de dias longos e estressantes.  Estudos têm demonstrado que as pessoas estão mais dispostas a enganar e roubar quando sua reserva de força de vontade está esgotada.[5]
O Islã tem mantido por muito tempo a opinião de que as pessoas precisam de mais lembretes à medida que o dia passa.  Se olharmos para a oração como um lembrete, podemos ver que serve esse propósito porque as pessoas se cansam durante o curso do dia.  Começamos o dia com Fajr, a oração da manhã e então temos um bloco grande de tempo no qual fazemos o trabalho produtivo.  Quaisquer escolhas morais ou auto regulamentadoras que temos que fazer são abordadas com facilidade.  Na oração do meio-dia temos tempo de ser gratos, para descansar nossos cérebros cansados e lembrar que nossas vidas são dedicadas a agradar a Deus.  Mas ainda é um dia longo, estamos com fome e cansados.
Aqueles lembretes de Deus continuam vindo. Existem mais três orações obrigatórias antes de dormir.  A oração, não devemos nos esquecer, é um pequeno começo, a deixamos renovados, um pouco mais próximos de Deus e determinados a ficar longe de qualquer coisa que O desagrade.  Temos o antídoto para a fadiga do músculo, física e mentalmente.  Quem estaria inclinado a se levantar do local de oração para enganar, mentir ou roubar?
O profeta Muhammad disse que a primeira coisa que será julgada entre os atos de uma pessoa no Dia da Ressurreição é a oração.  Se estiver correta, a pessoa prosperará e se estiver defeituosa, fracassará.[6] Se a conexão de uma pessoa com Deus é mantida ao longo do dia, ela permite que lute contra todos os tipos de mal e tentações e dá a coragem para fazer boas escolhas, usando força de vontade e autocontrole.
Como qualquer bom músculo, quanto mais o usamos, mais forte ele se torna. E não só isso, desenvolvemos o que chamamos memória do músculo. São memórias de tarefas realizadas com frequência que ficam armazenadas no cérebro.  Por meio da repetição você se torna extremamente bom em algo; por exemplo, o autocontrole.  A evidência sugere que pessoas bem-sucedidas passam relativamente menos tempo lutando com tentações e escolhas.  Pessoas bem-sucedidas são aquelas que, com a permissão e ajuda de Deus, desenvolveram um forte autocontrole.  Ninguém está sugerindo que seja fácil, mas é viável e desejável.
Deus explica no Alcorão que os seres humanos têm uma fraqueza que impede seu sucesso.  Essa fraqueza é a ausência de força de vontade ou a inabilidade de sustentar o sentido de propósito.  Como crentes sabemos o que fazer, mas geralmente nos falta o autocontrole para nos manter na direção certa.  Não construímos memória do músculo.  Nosso estilo de vida, o Islã, nos dá oportunidades incontáveis e construir nossa força e maneiras incontáveis de usar nosso autocontrole.  A psicologia recém-descoberta do autocontrole foi incorporada na religião do Islã por muito tempo. De fato, desde o tempo de Adão.
"Havíamos firmado o pacto com Adão, porém, te esqueceu-se dele; e não vimos nele firme resolução." (Alcorão 20:115)
"Aqueles que anelarem a outra vida e se esforçarem para obtê-la, e forem fiéis, terão os seus esforços retribuídos." (Alcorão 17:19)
Uma boa maneira de deixar nossa discussão do Islã e do autocontrole é com um dito do profeta Muhammad.   É um lembrete de que até o menor esforço pode ser enorme no cômputo de Deus.
"... os atos mais amados por Deus são os feitos regularmente, mesmo que sejam poucos." [7]

Notas de rodapé:
[1] Saheeh Al-Bukhari, Saheeh Muslim
[2]Abu Dawood.
[3]Ibid
[4] Muraven, Mark; Baumeister, Roy F. (2000).  "Self-regulation and depletion of limited resources: Does self-control resemble a muscle?". Psychological Bulletin 126 (2): 247–59.
Hagger, Martin S.; Wood, Chantelle; Stiff, Chris; Chatzisarantis, Nikos L. D. (2010).  "Ego depletion and the strength model of self-control: A meta-analysis". Psychological Bulletin 136 (4): 495–525.
[5] Mead, N.L., Baumeister, R.F., Gino, F. et al. (2009).  Too tired to tell the truth: Self-control resource depletion and dishonesty. Journal of Experimental Social Psychology, 45, 594–597.
[6]At-Tirmidhi
[7] Saheeh Al-Bukhari, Saheeh Muslim
 
URL -do-autocontrole-no-isla-parte-2-de-2/

Voltar aos Artigos
Principal