Bem-vindo ao Centro Islâmico Brasileiro - Últimos Artigos: Como devemos saudar o mês do Ramadan? - A virtude do Ramadan é alcançada pelo jejum em todos os dias - Parecer sobre aquele que esquece de repor jejuns perdidos - Por que os muçulmanos jejuam? - Responsabilidades de uma esposa para com seus pais - A sabedoria por trás do oferecimento da oração - A sabedoria provinda da prescrição do zakaah - Jogos, entre o que é lícito e o que é ilícito - Vontade e Decreto Divino - Condições das boas ações - Reflexão sob a visão do Islam - Como lidar com o vício das drogas? - Relações via Internet - Evidências para a validade do Islam - Razões detalhadas para o castigo no túmulo -
Este site tem por objetivo divulgar o Islam, seguindo a Ahlus Sunnah wal Jama'a (Seguidores da Sunnah e a Comunidade), o Islam em sua mais pura forma, o Islam que foi ensinado pelo nosso querido Profeta Muhammad (s.a.w.s) e seguido pelos seus Nobres Companheiros (Sahaba).


Ouça o Alcorão
Já está disponível em nosso
site o "Nobre Alcorão e seus
Significados em Português"
saiba mais



Leia o Alcorão
Agora além de poder ouvir a
bela recitação do Alcorão,
você também pode ler,...
saiba mais



Du'as - Súplicas
Aprenda como recitar de maneira correta os du'as (suplicas) em arabe saiba mais


Biblioteca Islâmica
"A teoria da evolução foi
tratada em capítulo à parte,
pelo fato de que constitui a
base de todas..." saiba mais



Assine nosso Jornal
Assine nosso Jornal Islâmico Online e receba no seu email as últimas atualizações do nosso site saiba mais



Perguntas e Respostas
Sinta-se à vontade para tirar todas suas dúvidas referente ao islam, alcorão, profeta mohammad, saiba mais



Civilização Islâmica
Dentro de poucos anos do crescimento do Islam no mundo, grandes civilizações floresceram saiba mais


Convertidos ao Islam

Nesta seção você conhecerá a história de pessoas que descobriram no Islam a Luz para as suas vidas. saiba mais

Perdão versus retaliação (parte 1 de 2)
Clique aqui para retornar às Categorias de Artigos

http://www.islamreligion.com/articles/images/Forgiveness_vs._Retaliation_(part_1_of_2)._001.jpgO Islã é uma religião que leva em conta a natureza da humanidade. Afinal, Aquele que nos criou nos conhece bem.  Não fomos criados perfeitos e cometemos erros, esquecemos, pecamos, somos presas de nossas emoções e hormônios e nosso senso de justiça pode não ser tão finamente ajustado quanto possamos desejar ou pensar.  Assim, as doutrinas do Islã, as duas fontes principais de jurisprudência, o Alcorão e a Sunnah (às vezes chamada de tradições autênticas do profeta Muhammad), estabelecem as diretrizes sob as quais a lei é aplicada.  Ao contrário de sociedades seculares modernas, não há separação entre religião e estado.  Para a sociedade islâmica funcionar, as leis de Deus devem ser aplicadas.

O Islã repete o princípio do olho por olho do Torá ou Velho Testamento e usa a pena capital e punições corporais para muitos crimes.  Entretanto, o que é ignorado com frequência é que o Alcorão e as tradições do profeta Muhammad convidam ao perdão, ao invés de retaliação. O Islã e seus princípios legais apoiam o perdão e arranjos pacíficos entre todas as partes.  A segunda das três categorias de crimes na lei islâmica é Qisas.  Islamicamente qisas significa a lei de retaliação, mas é derivada da raiz qess, que significa rastrear o efeito ou traço de algo e também pode ser definido como rastrear as pegadas de um inimigo.

"Quando castigardes, fazei-o do mesmo modo como fostes castigados; porém, se fordes pacientes será preferível para os que forem pacientes." (Alcorão 16:126)

"Temos-lhes prescrito: vida por vida, olho por olho, nariz por nariz, orelha por orelha, dente por dente e as retaliações tais e quais; mas quem indultar um culpado, isto lhe servirá de expiação. Aqueles que não julgarem conforme o que Deus tem revelado serão iníquos." (Alcorão 5:45)

Qisas é especificamente para assassinato ou ataques graves.  Toda vez que uma pessoa causa ferimentos ou morte a outro, o ferido ou a família do morto tem o direito de retaliar.  Em crimes cobertos pelas leis de Qisas, a vítima ou a família da vítima tem três opções: insistir na punição, aceitar compensação monetária ou perdoar o criminoso. O perdão pode até evitar a pena de morte.[1]O Alcorão encoraja o perdão e a misericórdia, mesmo nas circunstâncias mais difíceis.

"Tendes, no talião, a segurança da vida, ó sensatos, para que vos refreeis." (Alcorão 2:179)

Como mencionado acima, a lei da retaliação ou qisas se refere a um conjunto particular de crimes que podem ser legalmente punidos da mesma forma e no mesmo nível. No caso de ataque grave, por exemplo, a vítima tem o direito de escolher um olho por um olho, uma orelha por uma orelha, uma perna por uma perna. A qisas também permite que a vítima ou seu representante escolha um resultado diferente. Pode aceitar compensação, também conhecida como dinheiro de sangue ou, em árabe, diya. O pagamento da diya é calculado com base em uma escala proporcional do nível de incapacidade ou ferimento causado. Por outro lado, a vítima ou seu representante podem também optar por perdoar e, apesar da legalidade de todas as três escolhas, o Alcorão deixa claro que a melhor opção é o perdão.  No Islã a reconciliação é sempre preferível à retaliação.

"...quanto àquele que indultar (possíveis ofensas dos inimigos) e se emendar, saiba que a sua recompensa pertencerá a Deus..." (Alcorão 42: 40)

Um psicólogo renomado disse uma vez que sem o perdão a vida é governada por um ciclo interminável de ressentimento e retaliação.  Independente de qual dos três resultados a vítima escolhe, o objetivo é colocar um fim ao ciclo de retribuição e retaliação e não deixar as repercussões do crime persistirem e prejudicarem a comunidade islâmica. Em outras palavras, a qisas limita as consequências.  A necessidade da vítima por justiça é satisfeita, ao mesmo tempo em que previne dano desnecessário ao perpetrador.

A combinação de diya com perdão produz um incentivo material e espiritual poderoso para abrir mão da retribuição.  Quando a vítima tem o direito de escolher, em muitos casos escolhe perdoar porque a recompensa de Deus é mais desejável do que qualquer benefício terreno ou do que a satisfação passageira de ver a imposição da punição terrena.

O profeta Muhammad escolheu o perdão de maneira consistente, ao invés da retaliação. Seu comportamento é o melhor exemplo de perdão e compaixão.  Os crimes contra ele eram geralmente vis e humilhantes e, ainda assim, ele adotava as palavras de Deus literalmente e escolhia a gentileza sobre a raiva.  Tinha o poder e os meios para retaliar e, ainda assim, quanto maior o crime contra ele, mais leniente ele se tornava.

"Conserva-te indulgente, encomenda o bem e foge dos insipientes." (Alcorão 7:199)

Nesse artigo examinamos a lei de qisas e descobrimos que o perdão é o melhor curso de ação.  Entretanto, Deus conhece a necessidade humana por justiça nesse mundo e, assim, nos proveu com um método de retaliação que é justo.  Mas em todo o Alcorão e nas tradições do profeta Muhammad nos é dito que o perdão é melhor e no próximo artigo descobriremos por que.  Você não deseja ser perdoado por Deus?

"...porém, que os tolerem e os perdoem. Não vos agradaria, por acaso, que Deus vos perdoasse? Ele é Indulgente, Misericordiosíssimo." (Alcorão 24:22)

"Ao contrário, quem perseverar e perdoar, saberá que isso é um fator determinante em todos os assuntos." (Alcorão 42:43)



Notas de rodapé:

[1] Punishment in Islam: An Eye For An Eye?" Al-Haramain Online Newsletter, Volume 4, 8ª edição, Julho de 2000.

 

http://www.islamreligion.com/pt/articles/10722/perdao-versus-retaliacao-parte-1-de-2/

Hierarquia do Artigo:
Artigos Sistemas no Islã Perdão versus retaliação (parte 1 de 2)


Navegação de Artigos:

<< Artigo Anterior || Próximo Artigo >>
Compartilhar esse Artigo:
Url
BBCode
HTML

Página Inicial | Últimos Artigos | Crenças do Islã | A Outra Vida | Evidência do Islã | Religião Comparada | Perguntas e Respostas | Busca | Contato |
Centro Islâmico Brasileiro (c) 2009-2021. Todos os direitos reservados.
Powered by PHP-Fusion copyright © 2002 - 2021 by Nick Jones.
Released as free software without warranties under GNU Affero GPL v3
voltar ao topo