Deus & os limites da imaginação humana
Enviado por admin em 06/12/2017

Descrição: A imaginação humana é limitada, uma vez que se baseia no que observa e experimenta, e é por isso que nossa imaginação não consegue captar plenamente o conceito de que Deus é atemporal e eterno, sem começo ou fim.

 

Por Salman al-Oadah (islamtoday.net) [editadopor IslamReligion.com]

 

God’s-Being-&-the-Limits-of-Human-Imagination.jpgTudo em nossa experiência humana limitada deve ter um começo e um fim.  Nós mesmos nascemos e morreremos.  Esse é o caso com os nossos pais e antepassados, assim como com nossos filhos e descendentes.  Essas relações permeiam a criação.

Algumas pessoas, devido à fraqueza ou simplicidade intelectual, supõem que tudo deve ser comparável às suas próprias experiências prévias.  Apoiam-se na imaginação, que só é realmente capaz de visualizar o que já foi experimentado de uma forma ou de outra.  É por isso que a imaginação é incapaz de lidar com absolutos e com conceitos universais.

O profeta Muhammad, que a misericórdia e bênçãos de Deus estejam sobre ele, estava se referindo aos limites da razão humana quando disse:

"As pessoas continuarão fazendo perguntas até chegarem a perguntar: "Deus criou o universo, mas quem criou Deus?" Quem tiver pensamentos como esse deve simplesmente declarar: "Creio em Deus." Busque a ajuda de Deus e desista desses pensamentos."[1]

A mente humana tem limitações e nossa perspectiva humana é deficiente.  Por causa disso algumas pessoas caem em dúvidas com respeito à pré-existência de Deus.  Precisamos perceber que estamos lidando aqui com uma questão de fé; em outras palavras, uma questão que transcende as limitações da razão humana.

Depois de fazer a afirmação citada acima, é mencionado que o profeta Muhammad aconselhou recitar o capítulo do Alcorão intitulado "Pureza de fé" (capítulo al-Ikhlas):

"Dize: Ele é Allah, o Único. Deus, o Absoluto. Jamais gerou ou foi gerado! E ninguém é comparável a Ele!" (Alcorão 112:1-4)

O versículo crucial aqui é "Jamais gerou ou foi gerado!".  Mostra que a perfeição e a Onipotência de Deus desafiam a experiência humana e transcendem os limites da imaginação humana.

Então Deus diz: "Deus, o Absoluto. Jamais gerou ou foi gerado" e prossegue imediatamente com: "ninguém é comparável a Ele!" Não podemos comparar Deus com nada em nossa experiência.  Da mesma forma, constatamos que Deus nos ordena: "Não compareis ninguém a Deus." (Alcorão 16:74) Essa é a forma como nossa fé em Deus deve ser.

O profeta Muhammad aconselhou aqueles que foram afligidos por dúvidas como "Quem criou Deus?" a: "Buscar a ajuda de Deus e desistir desses pensamentos." Nada pode ser obtido dessa linha de pensamento "Quem criou Deus?" A natureza de Deus não pode ser comparada à existência criada, nem pode ser norteada pelas limitações da razão humana.  A mente humana, entretanto, pode conceber a existência de Deus e reconhecer que Ele é o Criador de todas as coisas.  De fato, a mente humana resiste a qualquer tentativa de compeli-la a negar a existência de Deus.

Os regimes comunistas do século 20 tentaram compelir seus cidadãos a abraçar o ateísmo.  Empregaram todos os meios agressivos à disposição, mas as pessoas se recusaram a negar Deus.  Resistiram às tentativas mais autoritárias de esmagar sua crença na existência de Deus.

A mente humana reconhece a existência de um Criador.  A razão não pode fugir desse reconhecimento.  A mente consequentemente nos leva a buscar orientação sobre Deus e nos dá uma inclinação natural para adorá-Lo.  Somos receptivos aos mensageiros de Deus e Deus não deixaria Suas criaturas sem orientá-las para a sabedoria de por que foram criadas.  De fato, Deus diz: "E Eu [Deus] não criei os jinns e a humanidade exceto para Me adorarem." (Alcorão 51:56)

O intelecto certamente reconhece Deus, mas não é capaz de compreender todos os Seus atributos.  O papel dos profetas e mensageiros de Deus é ensinar as pessoas que elas precisam conhecer seu Senhor e como Deus deseja que elas O adorem.  Isso protege as pessoas de inventar todos os tipos de rituais e ritos a partir de suas próprias imaginações, que não tenham base na revelação de Deus.

O Profeta Muhammad disse, dirigindo-se a Deus em súplica: "Tu és o Primeiro, então nada O precede. Tu és o Último, então nada vem depois de Ti. Tu és o Manifesto, então nada vem acima de Ti. Tu és o Oculto, então nada vem abaixo de Ti. Cuide de nossos débitos e nos enriqueça para que não sejamos pobres." [2]

Deus é o Primeiro que não é precedido por coisa alguma.  Esse é um conceito que não é compreendido plenamente pela imaginação, mas pode certamente ser aceito pela mente e pelo coração.  Nossa consciência das limitações de nossas mentes é fundamental.

Da mesma forma, Deus é o Último, cuja existência persiste sem fim.  Como tal, Deus é verdadeiramente o Herdeiro: "E (recorda-te) de Zacarias quando implorou ao seu Senhor: Ó Senhor meu, não me deixes sem prole, não obstante seres Tu o melhor dos herdeiros!" (Alcorão 21:89)

Deus é atemporal e eterno, sem começo ou fim.  Em contraste, todas as coisas criadas têm um começo e fim.

Deus diz sobre o Sol: "E o sol, que segue o seu curso até um local determinado." (Alcorão 36:38) O sol e outros corpos celestiais são muito mais velhos que as coisas vivas na Terra.  Mas assim como as vidas efêmeras dos seres terrestres, as estrelas nascem e morrem.  Todas as coisas no universo devem chegar a um fim.

Deus não pode ser compreendido de acordo com os termos da existência material.  Não está vinculado às leis da física que são, elas próprias, parte da natureza que Ele criou.  Não é surpresa que a mente não consiga captar plenamente o Criador, uma vez que a mente em si é criada e sujeita às limitações de sua natureza criada.  A mente só pode cair em confusão e auto ilusão se tentar racionalizar o que está além de sua capacidade.

Ao contrário, devemos aplicar nossos esforços mentais para questões que nossas mentes são capazes de se engajarem - como o universo que Deus criou e os vastos horizontes de conhecimento que ele apresenta.  Deus nos deu a habilidade racional e o poder imaginativo de descobrir e conceituar as leis físicas da natureza.  Podemos aproveitar esse conhecimento para beneficiar a humanidade de modos que agradem a Deus.



Notas de rodapé:

[1] Sahih Muslim

[2] Sahih Muslim

 

http://www.islamreligion.com/pt/articles/10814/deus-os-limites-da-imaginacao-humana/